A FÁBRICA DA PREGUIÇA

O lugar em que surgem, surpreendidos e orbitantes, os produtos da alma marismática, entre as torres da incerteza e a carne acumulada da solidão.

26.3.06

Poema

Para o Chíqui.

Corpo nascente da luz:
Adormeço a minha sombra
Nesta paisagem anterior a ti,
Estranhado neste andar primeiro
Sem rasto do meu nome.

Ocupo a raiz das habitações errantes
No espelho da minha consumação
Oculto em teus olhos arvorados, Amor.

Fico na penumbra iluminada,
Beira do tempo anulado,
Nu e livre para te encontrar.

2006.